“A Igreja é de Cristo, nenhum Herodes apagará sua luz”

Publicado em 29/06/2015 | Categoria: Notícias Papa Francisco |


cristo luz

“Ensinar a oração, orando; anunciar a fé, acreditando; testemunhar, vivendo!” Foi o que pediu Francisco aos Arcebispos Metropolitanos que na Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo receberam o pálio das mãos do Papa. A missa foi celebrada na manhã desta segunda-feira (29/06), na Basílica Vaticana.

Concelebraram com o Pontífice mais de 40 Arcebispos, de todo o mundo, entre os quais o Arcebispo de Curitiba, no Paraná, Dom José Antônio Peruzzi. Estava presente também a delegação do Patriarcado Ortodoxo de Constantinopla, que o Papa saudou logo no início da cerimônia.

Novidade

A celebração  deste ano teve uma novidade: a faixa de lã branca foi entregue e não colocada pelo Santo Padre. A imposição do Pálio será feita pelo Núncio Apostólico, nas respectivas Arquidioceses de origem. O significado desta alteração é colocar em maior evidência a relação dos Arcebispos com a sua Igreja local e, assim, dar também a possibilidade a mais fiéis de estarem presentes neste rito.

Homilia

Em sua homilia, comentando as leituras do dia, o Papa destacou a coragem dos Apóstolos e da primeira comunidade cristã de levar avante a obra de evangelização, sem medo da morte nem do martírio. Esta coragem, frisou Francisco, é um forte apelo à oração, à fé e ao testemunho.

Apelo à oração

“A comunidade de Pedro e Paulo ensina-nos que uma Igreja em oração é uma Igreja de pé, sólida, em caminho!”, disse. Na verdade, um cristão que reza é um cristão protegido, mas sobretudo não está sozinho. “Nenhuma comunidade cristã pode prosseguir sem o apoio da oração perseverante! A oração é o encontro com Deus, que jamais desilude.”

A primeira leitura fala do aparecimento de um anjo que inunda a masmorra de Pedro de luz. “Quantos anjos coloca Ele no nosso caminho, mas nós, dominados pelo medo ou a incredulidade ou então pela euforia, deixamo-los fora da porta”, acrescentou o Papa.

Apelo à fé

o Pontífice prosseguiu dizendo que Deus não tira os seus filhos do mundo ou do mal, mas dá-lhes a força para vencê-los. E falou das forças que tentaram – e ainda tentam – aniquilar a Igreja com inúmeras tempestades e os nossos muitos pecados. Não obstante, a Igreja permanece viva e fecunda. “Inexplicavelmente, permanece firme.”

Tudo passa, só Deus resta. “Na verdade, passaram reinos, povos, culturas, nações, ideologias, mas a Igreja, fundada sobre Cristo, permanece fiel ao depósito da fé, porque a Igreja não é dos Papas, dos Bispos, dos padres e nem mesmo dos fiéis; é só e unicamente de Cristo.”

Apelo ao testemunho

Por fim, o Papa faz um apelo ao testemunho, a exemplo de Pedro e Paulo.

“Uma Igreja ou um cristão sem testemunho é estéril; um morto que pensa estar vivo; uma árvore ressequida que não dá fruto; um poço seco que não dá água! A Igreja venceu o mal, através do testemunho corajoso, concreto e humilde dos seus filhos.”

Apelo aos Arcebispos

“Amados Arcebispos que hoje recebestes o pálio! Este é o sinal que representa a ovelha que o pastor carrega aos seus ombros como Cristo, Bom Pastor”, disse o Papa, sublinhando o que a Igreja quer deles:

“A Igreja quer-vos homens de oração, mestres de oração”: que ensinam ao povo que a libertação de todas as prisões é apenas obra de Deus e fruto da oração; que Deus, no momento oportuno, envia o seu anjo para nos salvar das muitas escravidões e das inúmeras cadeias mundanas. “E sede vós também, para os mais necessitados, anjos e mensageiros da caridade!”

“A Igreja quer-vos homens de fé, mestres de fé: que ensinem os fiéis a não terem medo de tantos Herodes que afligem com perseguições, com cruzes de todo o gênero. Nenhum Herodes é capaz de apagar a luz da esperança daquele que crê em Cristo!”

“A Igreja quer-vos homens de testemunho: Não há testemunho sem uma vida coerente! Hoje sente-se necessidade não tanto de mestres, mas de testemunhas corajosas, que não se envergonham do Nome de Cristo e da sua Cruz perante as potências deste mundo.”

O motivo é muito simples, disse Francisco: “O testemunho mais eficaz e mais autêntico é aquele que não contradiz, com o comportamento e a vida, aquilo que se prega com a palavra. Ensinar a oração, orando; anunciar a fé, acreditando; testemunhar, vivendo!” (BF)

 

Leia também:

 

Angelus: a fé dá plenitude à nossa humanidade

 

Milhares de fiéis e peregrinos enfrentarem o calor de cerca de 30º graus centígrados para rezar com o Papa o Angelus na Praça S. Pedro.

Na alocução que precedeu a oração mariana, Francisco comentou o Evangelho do dia, que fala da ressurreição de uma jovem de doze anos, filha de um dos chefes da sinagoga.

A força da fé

O pai implora a Jesus para salvá-la. Após a sua morte, Jesus lhe diz: “Não temas, crê somente!”. Ao entrar em casa, o Senhor se dirige à jovem, dizendo: “Menina, eu te digo: levanta-te!”. No mesmo instante, a menina se levantou e começou a caminhar. “Aqui se vê o poder absoluto de Jesus sobre a morte física, que para Ele é como um sono do qual se pode despertar”, disse o Papa.

Deus perdoa tudo e todos

Nesta narração, o Evangelista insere outro episódio: a cura de uma mulher que há 12 anos sofria de perdas de sangue. Por causa desta doença que, de acordo com a cultura do tempo, a tornava “impura”, ela deveria evitar todo contato humano: estava condenada a uma morte civil. Esta mulher anônima, em meio à multidão que segue Jesus, diz: “Se ao menos tocar as suas roupas, serei salva”. Jesus se dá na conta e, em meio à multidão, procura o rosto daquela mulher. Ela aproxima-se trêmula e Ele diz: “Minha filha, a tua fé te salvou”. “É a voz do Pai celeste que fala em Jesus. Ele perdoa tudo e todos”, disse o Papa.

Ressurreição e reencarnação

Francisco observou que esses dois episódios – uma cura e uma ressurreição – têm um único centro: a fé. “Todo o Evangelho é escrito à luz desta fé: Jesus ressuscitou, venceu a morte e, por esta sua vitória, também nós ressuscitaremos.”

Esta fé, advertiu o Papa, pode obscurecer-se e tornar-se incerta, a ponto de alguns confundirem ressurreição com reencarnação. “Mas a  Palavra de Deus deste domingo nos convida a viver na certeza da ressurreição: Jesus é o Senhor, tem poder sobre o mal e sobre a morte, e quer nos levar para a casa do Pai, onde reina a vida”.

Renovação e esperança

O Pontífice recordou que a ressurreição de Cristo atua na história como princípio de renovação e de esperança. “Quem estiver desesperado e extenuado, se confiar em Jesus e no seu amor pode recomeçar a viver, pode ter uma nova vida, mudar de vida. Começar uma nova vida é um modo de ressuscitar. A fé é uma força de vida, dá plenitude à nossa humanidade.”

Quem crê em Cristo, prosseguiu, deve ser reconhecido por promover a vida em qualquer situação, por possibilitar a todos, especialmente aos mais vulneráveis, o amor de Deus que liberta e salva.

E concluiu: “Peçamos ao Senhor, por intercessão de Nossa Senhora, o dom de uma fé forte e corajosa, que nos impulsiona a ser difusores de esperança e de vida entre os nossos irmãos”. (BF)

Fonte: Rádio Vaticano



Os comentários estão desativados.