A presença de Maria no plano de Deus e na vida eclesial

Publicado em 19/08/2022 | Categoria: Notícias Papa Francisco Slideshow Home |


 
“O Papa Pio XII, na proclamação do dogma da Assunção de Nossa Senhora, primeiro de Novembro de 1950, citou um dos santos padres para fundamentar a verdade de fé, São João Damasceno, padre escritor dos séculos VII e VIII, afirmou que era conveniente que aquela que tinha guardado ilesa a virgindade no parto, conservasse seu corpo, após a sua morte, livre de toda a corrupção.”
 

Por Dom Vital Corbellini, Bispo de Marabá (PA)

O plano de Deus referente à salvação humana realizou-se pela resposta positiva de numa criatura, a bem-aventurada Virgem Maria, para ser a mãe do Salvador. O Senhor a escolheu na sua infinita bondade, para que ele entrasse na realidade humana. Desde que o homem pecou, pensou o Senhor a nova Eva, uma nova geração que seria inaugurada pelo seu Filho, Jesus, na qual haveria uma inimizade entre a primeira Eva e a mulher, entra a sua descendência e a descendência da mulher, no caso de Maria (Gn 3,15). Na anunciação disse o anjo à Maria que ela conceberia e daria à luz um filho, cujo nome seria Jesus (Lc 1,31), o Salvador da Humanidade. Ela viveu o plano do Senhor, onde em tudo se faria a vontade dele, segundo a palavra de Deus, dita pelo anjo (Lc 1,38).

Dentro do mês vocacional, no terceiro domingo, sabendo que o povo cristão, católico é chamado a rezar pelas vocações, celebramos nós a vida religiosa, e, também a Assunção de Nossa Senhora aos Céus. Os religiosos assumem os votos de pobreza, castidade e obediência, na missão evangelizadora da Igreja e no mundo. A Assunção é uma festa bonita que expressa a presença de Maria na vida do povo, as devoções, os seus títulos que fazem com que todas as gerações a chamarão bem-aventurada, porque o Deus todo-poderoso fez por ela grandes coisas e santo é o seu nome (Lc 1, 48-49). A Assunção de Maria tornou-se um dogma, verdade de fé, proclamado pela Igreja onde se afirmou que ela foi elevada aos céus em corpo e alma, associada ao mistério de seu Filho, Jesus Cristo. Ela foi concebida sem o pecado original de modo que ela teve uma morte natural, e, antes que seu corpo voltasse ao nada, ela foi ressuscitada pelo Senhor Deus, pelo Pai, em unidade com o Espírito Santo. Como criatura ela antecede a todo o gênero humano, com a ressurreição dos mortos, pois as coisas ocorridas nela logo após a sua morte serão dadas para todas as pessoas no final da historia. É muito importante analisar a forma como os santos padres, os primeiros escritores cristãos elaboraram uma doutrina a respeito de Maria, a mãe do Filho de Deus.

 Um corpo livre do pecado

O Papa Pio XII, na proclamação do dogma da Assunção de Nossa Senhora, primeiro de Novembro de 1950, citou um dos santos padres para fundamentar a verdade de fé, São João Damasceno, padre escritor dos séculos VII e VIII, afirmou que era conveniente que aquela que tinha guardado ilesa a virgindade no parto, conservasse seu corpo, após a sua morte, livre de toda a corrupção. Era conveniente que aquela que trouxera no seio o Criador como Verbo de Deus encarnado, morasse nos tabernáculos divinos. Era também conveniente que a Mãe de Deus possuísse o que pertence ao Filho e fosse venerada por toda a criatura como mãe e serva de Deus[1].

Maria como a pessoa que fez a vontade do Pai e era a bem-aventurada

Santo Agostinho, bispo de Hipona, séculos IV e V especificou o motivo pelo qual Maria chamar-se bem aventurada, ao interpretar a passagem bíblica onde os seus discípulos, que estavam com Jesus disseram que sua mãe, os seus irmãos estavam lá, fora, perto dele de modo que o Senhor afirmou quem eram a sua mãe, os seus irmãos?! E estendendo a mão, Jesus disse que quem faz a vontade do seu Pai que está nos céus, era seu irmão, irmã, e mãe (Mt 12,46-50). Maria estava dentro desta palavra de salvação, porque ela fez a vontade do Pai[2].

Santo Agostinho ainda falou do elogio que o Senhor recebeu de uma mulher que disse ser bem-aventurada o ventre que o gerou e os seios que o amamentaram. Jesus afirmou que antes seriam bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam (Lc 11,27-28). Jesus teve presente a sua mãe sendo bem-aventurada porque ela observou a Palavra de Deus, proveniente do Verbo do Senhor por meio do qual foi criada e nela fez-se carne[3].

Jesus, a forma de servo

Santo Agostinho ainda disse que a Virgem Maria concebeu e deu à luz um filho, por causa da forma manifestada de servo, pois um menino nasceu para a humanidade (Is 9,6). Mas pelo fato de que o Verbo de Deus, que permanece para sempre (Is 40,8) fez-se carne para habitar entre as pessoas (Jo 1,14) por causa da forma de Deus, que está escondida, a humanidade chamou o Senhor de Emanuel, Deus conosco (Mt 1,23; Is 7,14). Fez-se homem, permanecendo Deus, para que o Filho do Homem pudesse também se chamar Deus com a humanidade. Exulte, portanto o mundo porque veio a ele aquele que o criou. O Criador de Maria nasceu de Maria, o Salvador da humanidade[4].

Cristo nasceu do Pai e de Maria

O bispo de Hipona também teve presentes as duas gerações, uma eterna e outra temporal na única Pessoa do Senhor. Jesus Cristo nasceu de Deus Pai, sendo Deus como Ele, homem pela mãe, Maria; da imortalidade do Pai, da virgindade da mãe, do Pai sem o tempo, eterna, da mãe no tempo sem a participação humana; do Pai como princípio de vida, da mãe para colocar fim à morte[5].O nascimento humano e divino de Jesus

São Cirilo, bispo de Alexandria, século V disse que o nascimento de Jesus na humanidade estava unido ao seu ser humano e em conjunto com Deus. O Verbo mesmo encarnando-se na bem-aventurada Virgem, fez dela o próprio templo, porque aquele que saiu de Maria era do ponto de vista exterior, ser humano, mas, era intimamente verdadeiro Deus. O bispo continuou dizendo que aquela que foi considerada como bem-aventurada, por isso foi com razão chamada Mãe de Deus, pois a Virgem Mãe, Maria, gerou na carne o Filho de Deus, Jesus que nasceu dela[6].

Hino à mãe de Deus

Rábula de Edessa, bispo na Síria, século V, compôs um hino à Virgem Maria como mãe de Deus. Ela é santa, mas Maria é também tesouro maravilhoso e esplêndido, dado a todo o mundo, luz irradiante do Incompreensível, templo puro do Criador de todas as coisas. Através dela foi anunciado Aquele que tirou os pecados do mundo e os redimiu. Fortalece a nossa fé e doa a paz para o mundo inteiro. O bispo teve presente que os fiéis supliquem à Maria para que a nossa maldade não leve para a ruína e Maria volta-se ao seu povo, enquanto ela reza ao seu Unigênito, o Filho saído dela, para que tenha piedade de todos os fiéis, pela sua santa oração[7].

O bispo continuou a sua súplica em forma de hino à Maria pedindo-lhe que ela intercedesse junto ao seu Unigênito pelos pecadores que nela buscam refúgio. Todos os flagelos que atingiram a precedente geração, também afetam as pessoas na vida real. Por isso os seres humanos querem pela intercessão de Maria junto ao seu Filho, a misericórdia e o Senhor tenha piedade de todos os pecadores e as pecadoras[8].

A assunção de Maria, Mãe de Deus

São João Damasceno, monge, sacerdote, de Damasco, na Síria, séculos VII e VIII, disse que Maria foi submetida às leis da natureza através da morte, o seu corpo imaculado, mas ela recebeu a graça da incorruptibilidade (1 Cor 15,53). O Criador do universo acolheu com as mesmas mãos a alma santa na qual o Deus encarnado encontrou nela, a sua habitação. O Senhor concedeu a honra àquela que pela sua natureza humana, Ele a escolheu na sua infinita bondade para com os seres humanos, como mãe, segundo o plano da salvação, encarnando-se e aceitando a convivência humana. Ela teve uma morte maravilhosa, do momento que ela foi acolhida por Deus. Ela teve a morte natural, mas não permaneceu na morte e o seu corpo não se dissolveu na corrupção. O seu corpo foi preservado, mudando-se nela em tabernáculo grandioso e divino, livre da morte e destinado a durar pela eternidade junto com Deus. Após a sua morte ela teve a graça da assunção por parte de Deus, de seu Filho, na real habitação celeste, divina[9]

A presença de Maria leva as pessoas até Deus, ao seu Filho no Espírito Santo. Maria nunca está sozinha porque ela carrega nos braços o seu Filho Jesus Cristo. Nós vivamos bem com a presença de Maria para que a nossa vida esteja ligada a Deus, ao próximo como a nós mesmos. Maria interceda por nós junto a Deus e pela paz no mundo.

______________

[1] Cfr. Da Constituição Apostólica Munificentissimus Deus, do Papa Pio XII. (AAS 42 [1950] 760-762. 767-769). In: Liturgia das Horas, Ofício das Leituras. São Paulo, Edições Paulinas, 1987, pg. 1515.

[2] Cfr. Agostino. Commento al Vangelo di san Giovanni, 10,3. In: La teologia dei padri, v. 2. Roma, Città Nuova Editrice, 1982, pg. 161.

[3] Cfr. Idem, pg. 161.

[4] Cfr. Santo Agostino d`Ippona. La Vergine Maria, 22. Pagine scelte a cura di Michele Pellegrino. Milano, Edizioni Paoline, 1993, pg. 67.

[5] Cfr. Idem, 28, pg. 73.

[6] Cfr. Cirillo di Alessandria. Contro coloro che non riconoscono che Maria è la Madre di Dio, 4. In: Idem, pg. 161.

[7] Cfr. Rabbula di Edessa. Inni liturgici, 1-5. In: Idem, pg. 163.

[8] Cfr. Idem, pg. 163.

[9] Cfr. Giovanni Damasceno. Omelia sul transito di Maria, 1,10-11, 12-13. In: Idem, pgs. 171-172.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Oremos pelo Afeganistão Consagração à Nossa Senhora de Guadalupe Homenagens aos nossos diáconos permanentes Homenagem aos nossos padres Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada