O bom pastor dá a vida por suas ovelhas

Publicado em 25/04/2015 | Categoria: Notícias |


liturgiaLiturgia da Missa – Reflexões para a Mesa da Palavra

 4º Domingo da Páscoa – Ano B

 

“Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa. Pois ele é apenas um mercenário e não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor. É por isso que meu Pai me ama, porque dou a minha vida, para depois recebê-la novamente. Ninguém tira a minha vida, eu a dou por mim mesmo; tenho poder de entregá-la e tenho poder de recebê-la novamente; esta é a ordem que recebi de meu Pai”.

bom pastor

Era uma vez uma professora. A idade avançada fazia com que se tornasse, cada dia, mais difícil a escalada dos muitos degraus, até a escolinha no alto do morro. Enquanto subia pensava nas tantas colegas que tinham desistido daquelas crianças. Além da dificuldade em se chegar ao local, iam embora dizendo ter perdido tempo com alunos sem futuro. Dali não sairia nada de bom. Ela, ao contrário, os via capazes de maravilhas. Era incapaz de ter para eles aquele olhar determinista e frio das antigas companheiras. Nas suas carinhas, às vezes sujas, enxergava o brilho e a beleza do rosto do Menino Jesus. Persistira e olhando para trás, dava-se conta da vida inteira doada, como pastora, para aqueles tantos meninos e meninas pobres.

Para compor a cena da narrativa do Evangelho de hoje é preciso sair do ambiente urbano e viajar ao campo. O cenário é pastoril, distante da realidade brasileira. Na verdade não é comum esse tipo de pastoreio no nosso país.

Por isto o esforço para compor, com os olhos do coração, este cenário será um pouco maior. Por outro lado isto tem suas vantagens, eis que nos oferecerá maior liberdade para dar asas à imaginação.

Para Jesus, ao contrário, pastores e ovelhas andavam, desde o nascimento, sempre por perto. Nas tantas caminhadas terá se assentado para descansar ao lado de pastores. Dentre eles terá observado aqueles mais cuidadosos, os que gostavam realmente dos animais e os outros, meros cumpridores da obrigação, só tendo aquela profissão porque necessitavam do dinheiro. Esses eram descuidados não dispensando ao rebanho a atenção requerida.

Jesus se nomeia pastor e ao fazer isto terá pensado naqueles bondosos e cuidadosos, a curar ovelhinhas feridas, enquanto lhe contavam histórias, como se fossem crianças, de enfrentamentos noturnos, a salvá-las de animais selvagens e até de ladrões. Por isto nos diz que não é simplesmente um pastor. Isto não é o bastante. Ele é o bom pastor.

Interessante notar que o uso do artigo definido exclui outros possíveis bons pastores. No pastoreio dele não há como se fazer comparações. Não existiram, nem temos hoje, ou haverá no amanhã pastores como Ele. Nosso Senhor é único na bondade infinita da condução do seu rebanho, rumo às verdes pastagens e águas cristalinas, como cantava o salmista.

Não se é bom pela metade. Ser bom é doar-se todo. Não ter hora e nem limites para o cuidado com as ovelhas. Jesus é bom e isto significa que nada ponderará, ou medirá na bondade com aqueles que o Pai lhe confiou. Ser bom pastor é se colocar na posição de servidor das suas ovelhas. A existência do pastor se justifica no rebanho a ser cuidado.

O bom pastor conhece as suas ovelhas e por elas é reconhecido. Ele sabe das agruras e necessidades que sentem. Elas o reconhecem, porque Ele as ama, é afetuoso e as escuta. Reconhecer o outro é o primeiro passo para o Amor. Somente quem é reconhecido torna-se capaz da descoberta do se sentir amado, imbuído da plena dignidade de filho de Deus.

É preciso que reforcemos a certeza de que somos reconhecidos por Jesus como suas ovelhas queridas. Para cada um de nós Ele tem uma mirada especial, única. Ele nos resgata naquele olhar infinitamente amoroso, que talvez tenhamos perdido em algum momento da infância.

Cada ovelha do rebanho é um sonho estupendo da Trindade Santa. Deus, através do bom pastor, vibra conosco, nos imaginando bem maiores do que somos hoje. Por isto, impele-nos sempre ao crescimento. Por mais que tenhamos falhado e nos afastado, seu olhar cuidadoso e confiante nas nossas capacidades se mantém firme.

Vivemos tempo fértil de pastores. Há vários por aí, mas nenhum deles é o bom. Alguns até os identificaremos como mercenários em busca da lã dos rebanhos. O bom pastor mira o coração das suas ovelhas. Ao mesmo tempo notamos que o olhar do Bom Pastor vai além. Está posto nos tantos cordeirinhos que ainda não fazem parte do seu rebanho. Somos nós, as ovelhas do seu redil, que deveremos sair, mundo afora, em busca dessa multidão ansiosa pelo Bom Pastor.

A imagem bucólica de um bando de ovelhinhas parecendo clonadas, não faz jus ao bom pastor. Somos ovelhas humanas a construir a história rumo ao Pai. Definitivamente que não somos cordeirinhos, totalmente previsíveis no modo de pensar, sentir e agir.

Somos criados na liberdade de Deus, à sua imagem e semelhança. Diferentes demais daqueles animaizinhos do campo, que só realizam aquilo que o instinto lhes determina. Nascemos “ovelhas” humanas para nos tornarmos santos e diferentemente dos belos cordeirinhos, cada um de nós possui missão específica e concreta no mundo.

É preciso tomar cuidado, para não se ficar na imagem da “ovelha de presépio”. Aquela que não indaga, não tem dúvidas e por isto não cresce. Somos convocados a ser mais. No passado caiu-se várias vezes na tentação de crer que as “ovelhas” não ordenadas eram meras possuidoras do que se chamava “fé do carvoeiro”. Ou seja, críamos porque a Igreja assim o cria.

Não é bem assim. Nós cremos porque tivemos um encontro pessoal com o bom pastor, Jesus Cristo. Tenhamos atenção para não deixar que as saudades de um tempo pré-conciliar, por parte de alguns setores, leve-nos a novos escorregões nesta linha.

 

 

Pistas para reflexão durante a semana:

 

– Reconheço em mim a voz do Bom Pastor?

– O que tenho feito pelas ovelhas fora do aprisco do Senhor?

– Qual a razão da minha fé?

 

 

Fernando Cyrino



Os comentários estão desativados.