“As palavras também matam. Insultar não é cristão”

Publicado em 07/09/2014 | Categoria: Notícias |


Papa no Angelus – Apelo à paz na Ucrânia e Lesoto. Benção a voluntários a caminho do Iraque

 



MP3

As palavras também matam. Insultar não é cristão – sublinhou o Papa Francisco neste domingo por ocasião da oração Mariana do Angelus juntamente com os fiéis reunidos na Praça de São Pedro.

Inspirando-se na liturgia deste domingo que fala da correção fraterna na comunidade dos crentes, o Papa recordou:

“Jesus ensina-nos que se o meu irmão comete um erro contra mim, me ofende, eu devo ser caridoso em relação a ele e, antes de mais, falar com ele pessoalmente e explicar-lhe que o fez ou disse não é bom”.

No caso que ele não dê ouvidos, então é preciso – sempre como ensina Jesus – voltar a falar-lhe com uma ou duas outras pessoas, e se mesmo assim não mudar de atitude, então pode-selevar o caso à comunidade. E se não ouvir nem sequer à comunidade, “ocorre fazer-lhe compreender a fractura e o afastamento que ele próprio provocou, destruindo a comunhão com os irmãos na fé” – disse o Papa ilustrando as etapas deste itinerário:

“As etapas deste itinerário mostram os esforços que o Senhor pede à sua comunidade para acompanhar quem erra, a fim de que não se perca. É necessário, antes de mais, evitar o clamor da crônica e a murmuração da comunidade”.

Tudo deve ser feito com delicadeza, prudência, humildade, atenção perante o irmão que errou evitando feri-lo, ou mortificá-lo porque, frisou o Papa: “também as palavras matam”. Falar mal, fazer críticas injustas, (…) é matar o outro, as palavras também matam”

É sempre melhor falar com o irmão pessoalmente e tudo acaba ali – disse Francisco, sublinhando que o escopo de tudo isso é fazer compreender ao irmão que com o seu erro não só ofendeu a uma pessoa , mas a toda a comunidade. Tem também a finalidade de nos ajudar a libertar-nos da irra e do ressentimento que só fazem mal, provocam amargura no coração e levam a insultar e a agredir. Mas “é feio ouvir da boca de um cristão insultos ou agressões. É feio, eh!, nada de insulto, insultar não é cristão, compreendido!? Insultar não é cristão!

É que – prosseguiu o Papa – na realidade, “perante Deus somos todos pecadores e necessitados de perdão. Jesus, com efeito, recomendou-nos que não julgássemos, pois a correção fraterna deve ser um acto de amor, um serviço ao outro.

“A correcção fraterna é um aspecto do amor e da comunhão que devem reinar na comunidade cristã, é um serviço recíproco que podemos e devemos prestar uns aos outros”.

Um serviço ao outro! Mas para que esse serviço seja eficaz é preciso que nos reconheçamos todos pecadores necessitados do perdão do Senhor.

É por isso – disse ainda o Papa – que no início da Missa cada um de nós pede perdão pelos próprios pecados, não pelo pecado do outro…

“E entre as condições que tornam comuns os participantes na celebração eucarística, dois são fundamentais: todos somos pecadores e a todos Deus dá a sua misericórdia. Devemos sempre recordar isto antes de nos apresentamos perante o irmão para a correcção fraterna”.

Peçamos tudo isto à Beata Virgem Maria, cuja Natividade é recordada na liturgia de amanhã, rematou o Papa…*

Depois do Angelus, o Santo Padre referiu-se expressamente a duas crises político-militares que o preocupam. Antes de mais, a Ucrânia, onde – disse – “nestes últimos dias se deram passos significativos na busca de uma trégua nas regiões afectadas pelo conflito, na Ucrânia oriental”.

“Faço votos de que esses (passos dados) possam assegurar alívio à população e contribuir para os esforços a favor de uma paz duradoura. Rezo para que, na lógica do encontro, possa prosseguir o diálogo iniciado e dar o desejado fruto”.

Relativamente ao Lesotho (país da África meridional), o Papa Francisco declarou unir a sua voz à dos Bispos do país, que lançaram um apelo à paz.

“Condeno todos os atos de violência e rezo ao Senhor para que no reino do Lesotho se restabelece a paz na justiça e na fraternidade.”**Partem neste domingo para o Iraque cerca de 30 voluntários da Cruz Vermelha Italiana para levar conforto às dezenas de milhares de deslocados que se encontram concentrados na zona de Erbil.

O Papa referiu-se a eles, exprimindo “apreço por esta obra generosa e concreta, abençoando esses voluntários e todas as pessoas que procuram concretamente ajudar os nossos irmãos perseguidos e oprimidos”

E depois de saudar os grupos presentes na Praça de São Pedro, come sempre o Santo Padre concluiu este encontro dominical com os fiéis, pedindo a todos, para que rezem com afecto a Nossa Senhora e “por favor” – disse – “não se esqueçam de rezar por mim”.

MP3

Fonte: Rádio Vaticano



Os comentários estão desativados.