O cuidado com a casa comum

Publicado em 10/05/2016 | Categoria: Notícias |


papa contemplando oracao

Por Sinivaldo S. Tavares*

Há cerca de um ano, na Solenidade de Pentecostes, o papa Francisco agraciou-nos com a Encíclica Laudato Si’ sobre o cuidado da casa comum. Poucos documentos do magistério pontifício provocaram tamanha expectativa como esse e não apenas entre os católicos.  Anunciada em diversas ocasiões, a Laudato Si’ suscitou um clima de grande expectativa e de acalorada discussão em torno de seu eventual conteúdo antes mesmo de sua publicação. De fato, a Encíclica se ocupa de um tema candente e de singular gravidade e urgência: a atual situação de descaso em que se encontra nossa casa comum. E o que mais nos surpreende é a tamanha receptividade que o discurso do papa vem recebendo no âmbito da cultura e da sociedade em geral. A relevância e a urgência do tema associadas ao caráter visivelmente inovador da encíclica muito têm contribuído para tamanha receptividade.

A Laudato si’ apresenta-se como inovadora em diversos aspectos, a começar pelo nome. Que ela seja dirigida a todas as pessoas, cidadãs do mundo, e não apenas, como de costume, aos fiéis católicos constitui outra novidade. E as inovações não param por aqui. A atitude do papa Francisco de se unir ao Patriarca Ecumênico, Bartolomeu, no inadiável apelo ao cuidado da casa comum. As inúmeras referências explícitas, no decorrer do texto, a documentos dos episcopados continentais e nacionais, bem como a outros autores do âmbito da cultura em geral. E, last but not least, que o estilo do papa Francisco seja cordial e poético e, ademais, que o tom da encíclica seja propositivo e esperançoso não nos parecem meramente casuais. Como adverte Paul Ricoeur, o tom de um discurso é dimensão constitutiva de seu conteúdo e, portanto, de fundamental importância para a compreensão de seu sentido.

Todo texto, enquanto resultado de uma complexa tessitura, testemunha uma pluralidade de interfaces. Há, portanto, o verso de um texto e seu reverso. No avesso percebem-se melhor as linhas que se entrelaçam na intrincada trama do texto propriamente dito. Ocupar-se das entrelinhas de um texto constitui passo imprescindível para uma compreensão expandida e profunda do mesmo. Significa, em outros termos, dar-se conta daquilo que, invisível no corpo do texto, responde por sua estruturação e articulações intestinas. Gostaríamos de nos deter, aqui, em dois elementos que se deixam entrever no tecido da Laudato Si’: o horizonte e o tom da encíclica e o contundente apelo do papa ao diálogo entre saberes e práticas.

Não, por acaso, iniciamos pela consideração do horizonte no interior do qual se situa o discurso do papa na Laudato Si’. Esse horizonte é responsável pelo tom do discurso nela proposto. O horizonte é marcado pela gratuidade, expressa no enternecimento para com as criaturas do universo, e seu tom é de esperança. Escreve o papa: “a esperança convida-nos a reconhecer que sempre há uma saída, sempre podemos mudar de rumo, sempre podemos fazer alguma coisa para resolver os problemas” (n. 61). E isso sem comprometer a crítica contundente aos sintomas e às raízes últimas do atual estado de degradação no qual se encontra o planeta, nossa casa comum. É muito difícil conjugar dialeticamente esperança e crítica. Em geral, a presença de um desses dois elementos termina por afugentar o outro. E o que presenciamos, na maioria das vezes, é uma situação de exclusão recíproca.

Na Laudato Si’, o papa Francisco conduz a bom termo essa difícil tarefa. Prova disso é o fato de combinar dialeticamente textos extremamente críticos com relação à presente situação com textos de bela poesia, reveladores de uma alma profundamente contemplativa. Seu discurso contagia-nos não apenas ao despertar-nos para a beleza da criação ou para a inalienável dignidade de cada criatura. Toca-nos, igualmente, ao desvelar a real situação de cumplicidade entre tecnociência, economia e política, desmascarando os reais interesses do paradigma tecnocrático.

Para se compreender em profundidade o contundente apelo ao diálogo entre saberes e práticas que o papa Francisco dirige a cada cidadão e a todos os cidadãos do planeta, é oportuno situá-lo em seu contexto de origem. Na introdução da Laudato Si’, vemos que o apelo é precedido por uma constatação e feito a partir de uma motivação. Bem no início da encíclica, o papa Francisco constata que “entre os pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida e devastada, que «geme e sofre as dores do parto» (Rm 8, 22). Esquecemo-nos de que nós mesmos somos terra (cf. Gn 2, 7). O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos” (n. 2).

A seguir, a motivação nos é dada na sugestiva figura de Francisco de Assis. Ele nos é apresentado como inspirador de práticas e discurso reveladores do cuidado para com a criação. E é interessante notar que já na motivação aparecem claramente aqueles traços que caracterizarão o conjunto da encíclica, a saber: a íntima relação entre descaso ambiental e injustiça socioeconômica; a imprescindibilidade de se superar o antropocentrismo marcado pelo domínio e pelo consumismo em vistas de uma atitude mais contemplativa e reverencial; a preocupação com a ecologia integral. Escreve o papa: “Francisco é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. É o santo padroeiro de todos os que estudam e trabalham no campo da ecologia, amado também por muitos que não são cristãos. Manifestou uma atenção particular pela criação de Deus e pelos mais pobres e abandonados. Amava e era amado pela sua alegria, a sua dedicação generosa, o seu coração universal. Era um místico e um peregrino que vivia com simplicidade e numa maravilhosa harmonia com Deus, com os outros, com a natureza e consigo mesmo. Nele se nota até que ponto são inseparáveis a preocupação pela natureza, a justiça para com os pobres, o empenhamento na sociedade e a paz interior” (n. 10).

E, por fim, temos o apelo dirigido não apenas aos cristãos, mas a todos os cidadãos do planeta, autênticos “filhos da terra”. Esse apelo é pela aliança entre os vários saberes da sociedade: entre as ciências e as religiões, entre as culturas dos povos originários e do povo em geral, incluindo a arte e a poesia, a vida interior e a espiritualidade. O papa Francisco formula esse apelo já nos primeiros parágrafos da Laudato Si’, nos seguintes termos: “Lanço um convite urgente a renovar o diálogo sobre a maneira como estamos a construir o futuro do planeta. Precisamos de um debate que nos una a todos, porque o desafio ambiental, que vivemos, e as suas raízes humanas dizem respeito e têm impacto sobre todos nós” (n. 14).

E o apelo do papa se reveste de singular credibilidade por vir acompanhado de sinais e gestos reveladores de uma abertura sem precedentes à cultura do encontro e do diálogo. Além de se unir a seus imediatos predecessores (Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI) nos momentos cruciais do texto da encíclica, o papa Francisco faz questão de, já na introdução, se unir também ao Patriarca Ecumênico, Bartolomeu, no inadiável apelo ao cuidado da casa comum, em duas referências, a nosso ver, profundamente significativas.

Na primeira, endossa a interpretação de Bartolomeu de que os contínuos maus tratos provocados ao planeta são verdadeiros crimes contra a natureza e contra nós mesmos e, em última instância, um pecado contra o Criador (n. 8). E na segunda, salientando a preocupação do Patriarca Ecumênico com as raízes éticas e espirituais dos problemas ambientais, o papa o cita ao dizer que o exercício da ascese cristã não se reduz simplesmente a renunciar, quanto em aprender a dar, propondo-nos a “passar do consumo ao sacrifício, da avidez à generosidade, do desperdício à capacidade de partilha […]” (n. 9).

As inúmeras referências explícitas, no decorrer do texto, a documentos dos episcopados continentais e nacionais, bem como a outros autores do âmbito da cultura em geral também confirmam a vontade sincera do papa Francisco de testemunhar o diálogo como possível via para o enfrentamento das questões postas nesse princípio de século. Aliás, a esse propósito, dignas de menção são as notas de referência que subjazem ao texto da Laudado Si’. Elas são profundamente reveladoras da consciência inaugurada e proposta pelo papa Francisco. Segundo nos parece, esse constitui um recurso excogitado pelo papa Francisco com o objetivo de manifestar seu desejo de construir novas relações marcadas pelo encontro e pelo diálogo. E assim fazendo, oferece-nos um válido testemunho de abertura a toda tentativa de diálogo e de aliança entre os vários saberes e práticas que compõem o rico mosaico de nossa civilização contemporânea.

* Sinivaldo S. Tavares, OFM é doutor em Teologia Sistemática pela Pontificia Università Antonianum, Roma. Durante treze anos, professor de Teologia Fundamental e de Teologia Sistemática na Faculdade de Teologia do Instituto Teológico Franciscano, Petrópolis. Desde 2012, professor de Teologia sistemática na FAJE e no ISTA, Belo Horizonte. Entre suas recentes obras, publicadas pela Editora Vozes, estão: Evangelização em diálogo: novos cenários a partir do paradigma ecológico; Evangelização e Interculturalidade; Teologia da Criação: outro olhar – novas relações; Trindade e Criação. Em 2016, organizou com A. Murad, o livro: Cuidar da casa comum: chaves de leitura teológicas e pastorais da Laudato Si’, publicado por Edições Paulinas. Tem publicado ainda estudos em obras coletivas e artigos em revistas teológicas especializadas.

Fonte: Dom Total



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

Audiência Geral do Papa – 28/08

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada