O Amor preenche toda a Terra

Publicado em 13/03/2021 | Categoria: Mesa da Palavra Notícias |


Liturgia da Missa – Reflexões para a Mesa da Palavra – 4º Domingo da Quaresma – Ano B

Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, do mesmo modo é preciso que o Filho do Homem seja levantado. Assim, todo aquele que nele acreditar, nele terá a vida eterna. Pois Deus amou de tal forma o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele acredita não morra, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, e sim para que o mundo seja salvo por meio dele. Quem acredita nele, não está condenado; quem não acredita, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho único de Deus. O julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal tem ódio da luz, e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam desmascaradas. Mas quem age conforme à verdade, se aproxima da luz, para que suas ações sejam vistas, porque são feitas como Deus quer. (Jo 3,14-21)

Era uma vez o Amor. Como sempre acontece, Ele não cabe em si e acaba crescendo demais. Desenvolveu-se tanto o Amor que passou a sentir uma necessidade imensa de tomar outros espaços, ir se espalhando cada dia mais um tanto. Não que tivesse orgulho, ou fosse presunçoso, o Amor não é nada disso. Ele não cabia em si, porque ansiava transbordar no coração das pessoas. E foi desse jeito que o Amor veio para o mundo. Ele chegou como uma chuva fininha e constante, que vai caindo a molhar a tudo e a todos. Até que houve uma hora na qual a humanidade se viu encharcada de Amor. Só que a gente não compreendia o que estava se passando. Achava ser aquele Amor algo que nem era tão bom. No fundo tinha medo de que o Amor fosse atrapalhar, só dar trabalho e obrigações. Foi assim que teve início o processo de se desvencilhar dele. Enxugavam-se do Amor e iam se tornando secos. Um dia, friamente, tomaram a decisão, terrível, de matar o Amor. O que não sabiam é que Ele nunca morre. O Amor ressuscita sempre no coração da gente. E a chuva fininha e constante continua transbordando sobre a Terra.

O trecho do Evangelho de João, neste quarto domingo da Quaresma, vem nos falar do sacrifício na cruz de Jesus. É um anúncio da sua morte, feito obviamente à luz da ressurreição. A maneira como João posta este anúncio, pode nos dar a impressão de que tudo estava já definido e que o Filho iria mesmo sofrer a morte na cruz. Pensar assim gerará em nós a imagem de um pai sádico e frio, que quer a morte do seu Filho. Nenhum pai, muito menos Deus, desejaria que seu filho sofressse tanto e morresse. 

Precisamos compreender que não é Deus quem quer o sacrifício do seu filho. É o coração duro dos homens que fez com que “fosse levantado”. Não fosse assim a salvação sem dúvidas que poderia ter acontecido de várias outras maneiras.

O fundamental aqui nesse Evangelho, é que caso acreditemos nele teremos a vida eterna. Crer em Jesus não significa acreditar na sua morte. Esta é fato histórico e incontestável, não necessitando de fé. É muito mais crer na sua vida, em sua Palavra, como um todo. A morte na cruz é mera consequência daquilo que acreditamos que é a Ressurreição e que nos leva, também nós, para a vida eterna.

A vinda do Filho ao mundo se dá por causa do Amor. Aqui nos encontramos diante de um ponto fundamental da nossa fé. Deus nos ama absurdamente e por causa deste Amor, não titubeia em enviar seu próprio Filho amado. Ele não o envia para provar nada. Afinal, nós o sabemos, o Amor não necessita ficar se provando.

O Amor de Deus vem naturalmente, porque quer ficar próximo dos seus filhos, dos seus amados. E quando Ele, o Amor, chega o efêmero se faz infinito. O raso se vê profundo. O pequenino se transforma em imenso eis que a vida passa a não ter mais fim. O Amor se faz vida e esta se realiza eternamente.

Nosso coração é muito duro – haja vista o que fizemos com o Filho de Deus – e é possível que em alguns momentos da vida possamos ter tido a impressão de que o Filho veio para condenar o mundo. Algumas imagens bíblicas, fruto obviamente do coração endurecido desses nossos irmãos redatores, parecem nos mostrar esta condenação.

Por isto este trecho joanino torna-se para nós tão significativo e consolador. Deus não vem como policial para prender ou punir. Ele chega como bombeiro, a nos libertar das enchentes e incêndios da vida.

Ao conhecer o bem absoluto, que é Deus, o ser humano se encanta e adere a Ele. Não dá para se postar do lado de fora daquele que só é bondade. Mas o fato é que somos livres. Totalmente livres e Deus, absolutamente, não nos tutorará tratando-nos como se fôssemos  crianças.

Então, é preciso ter consciência, eis que tal coisa acontece, que diante do bem absoluto haverá sempre a possibilidade da negação. É neste fechamento para Deus que se configura a condenação. Ela parte de nós para Ele e não o contrário, como muitas vezes se pensa.

O inferno não ocorre porque Deus assim o quer, mas porque, no uso da liberdade toma-se a decisão de se afastar do bem. Pensando bem, logo se poderá ver, que será muito difícil que haja alguém, em pleno uso da razão, que seja capaz de negar a bondade absoluta de Deus e optar por se condenar. Caso vejamos alguém assim, diríamos tratar-se de um louco. E sendo doido será sempre alguém a ser acolhido, ainda mais amorosamente, no colo do Pai.

João termina nos dizendo que o mal procura a noite. O Padre João Batista Libânio sj comenta este trecho dizendo da inocência de João em relação ao escuro e à luz. Diz-nos que, ao contrário dos tempos de Jesus nos quais se buscava as trevas noturnas para se engendrar o mal, hoje em dia perdeu-se totalmente tal pudor.

O mal é feito durante o dia e sobre ele quanto mais holofotes houver a ofuscar as vistas melhor. Caso o evangelista conhecesse hoje a internet, a televisão e a ação de tantos políticos, mudaria rapidamente a sua opinião.

Pistas para reflexão durante a semana:

– Creio no Amor absoluto de Deus por mim?

– Busco o bem na minha vida?

– De que maneiras tenho refletido este Amor de Deus?

1ª Leitura – 2Cr 36,14-15.19,23
2ª Leitura – Ef. 2, 4-10

www.genteplena.com.br



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Consagração à Nossa Senhora de Guadalupe Homenagens aos nossos diáconos permanentes Homenagem aos nossos padres Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada