Jesus é tentado no deserto

Publicado em 04/03/2017 | Categoria: Mesa da Palavra Notícias |


 

                                                                                           Liturgia da Missa

Refldesertoexão sobre a Mesa da Palavra

Primeiro Domingo da Quaresma – Ano A 

 

Envolta em tantos afazeres e convivendo em meio a muita gente,  sentia-se perdida e sem sentido na vida. Refletindo sobre essa sua realidade Helena sentiu uma grande necessidade de recolhimento. Acostumara-se a viver totalmente voltada para fora. Precisava voltar o olhar para si mesma. Parecia haver perdido contato com seu íntimo. Criou então o seu deserto e nele aprendeu muito sobre si mesma e também a respeito das pessoas. Só que, à medida em que mais sabia de si e dos outros passava a se sentir melhor e maior do que seus irmãos. Não foi um tempo fácil e simples aquele, mas tê-lo vivido e resistido à tentação fez dela uma pessoa melhor. O deserto, quando bem aproveitado leva-nos sempre para a superação e quando nos superamos chegamos mais perto de Deus.
.

Chegamos ao tempo da Quaresma. Período de maior recolhimento onde caminharemos com Jesus durante seu sofrimento até a morte na sexta-feira santa. Tempo no qual cada um de nós é convidado a visitar o seu deserto, que como o de Jesus, mais do que um local físico é um espaço interior para um encontro mais profundo consigo mesmo. Não apenas para se conhecer melhor, ou se autojustificar, mas para verificar as coisas que no mais profundo do coração estão necessitadas de conversão. A vida vai passando muito rápida. Estamos todos cheios de muitos afazeres e ao mesmo tempo nos sentindo com espaços vazios dentro de nós. Na Quaresma a Liturgia nos oferece essa oportunidade de nos retirarmos para o nosso “deserto” e nele darmos uma parada existencial para checagem da rota que seguimos. Verificar se ela está apontada para o nosso princípio e fim, Deus. Jesus também sente essa necessidade e por isso vai ao deserto. Nele é tentado, conforme nos mostra Mateus nesse domingo. Sabemos que os Evangelhos são construções elaboradas teologicamente. Não são simples descrições de fatos. Lê-los de maneira literal irá nos levar a enganos e a grande fundamentalismo. Nesse sentido simbólico é que também entenderemos os números. Por isso que ninguém vá pensar que Jesus esteve exatos quarenta dias no deserto. O sentido aí é de tempo suficiente e necessário para que aquilo que é buscado se cumpra. Além de também nos reportar dentro do Primeiro Testamento a questões chave para o Povo da Bíblia, como o dilúvio e a fuga do Egito. As três tentações, do mesmo modo, estão carregadas de simbolismo. Os evangelistas ao nos relatarem três tentações não querem dizer que Jesus somente foi tentado nesse momento da sua vida e por três vezes. Sabemos que, como também a nossa, sua vida teve da mesma maneira muitas tentações. Algumas delas terríveis como as vividas durante a semana da Paixão. A diferença fundamental é que nós caímos e Jesus se mantém sempre fiel ao Pai.As tentações do nosso Senhor no seu deserto vêm nos mostrar as maneiras principais como o ser humano é tentado. Cada um de nós sofre essas tentações básicas, bem como também as comunidades das quais somos parte. O alerta é para que as conheçamos bem e nos mantenhamos atentos para que, quando surgirem, não cedamos a elas.

A primeira tentação trata do milagre fácil, de permanecermos na alienação esperando que Deus aja e transforme a realidade. Esta é a tentação de fazer pão de pedras enquanto tantos passam fome não somente do alimento, mas também de justiça, paz, trabalho digno, reconhecimento e de tantas outras necessidades fundamentais.

A outra tentação, quando o diabo convida Jesus a se lançar do alto do Templo, tem a ver com a busca do prestígio, a super valorização da aparência que passa a valer mais do que o interior das pessoas. É a tentação da vaidade de ocultar a verdade, de manipular números e fatos, de se manter no auge porque se usa táticas não autênticas, alienantes e opressoras. Em tempos imagéticos como os atuais essa é uma tentação a qual precisamos estar muito atentos.

A última tentação é a do poder. Não o poder da influência positiva que valoriza o outro e o ajuda a crescer, mas aquele autocrático e absoluto. O poder de se sentir como um imperador que tem todos à sua disposição. Este é o poder da luxúria, do uso do próximo para se ter algum tipo de satisfação ou prazer. A tentação de dominar o outro seja pelo poder do dinheiro, do conhecimento, ou da política.

A primeira leitura vem nos mostrar o sonho do Éden. Não como lugar físico e acontecido, mas como local da esperança daquele dia em que instalado o Reino viveremos felizes nele. O Éden é a forma simbólica que o autor do Genesis usou para nos falar do projeto de Deus. Nesse programa nós falhamos. A Trindade então envia o Filho para nos dizer que a Aliança está valendo e que o paraíso é o final da história.

 

Para refletirmos durante a semana:

 

 

Já tenho planejado como viverei o “deserto” nesses quarenta dias?

– Para qual das tentações devo ter mais atenção?

– O que tenho feito para construir o “Éden”? 

 

 

liturgia

1ª Leitura – Gn 2,7-9; 3,1-7
O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, soprou-lhe nas narinas o sopro da vida e o homem tornou-se um ser vivente. Depois, o Senhor Deus plantou um jardim em Éden, ao oriente, e ali pôs o homem que havia formado. E o Senhor Deus fez brotar da terra toda sorte de árvores de aspecto atraente e de fruto saboroso ao paladar, a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal. A serpente era o mais astuto de todos os animais dos campos que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: ‘É verdade que Deus vos disse: ‘Não comereis de nenhuma das árvores do jardim?’ ‘ E a mulher respondeu à serpente: ‘Do fruto das árvores do jardim, nós podemos comer. Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus nos disse: ‘Não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário, morrereis.” A serpente disse à mulher: ‘Não, vós não morrereis. Mas Deus sabe que no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão e vós sereis como Deus conhecendo o bem e o mal’. A mulher viu que seria bom comer da árvore, pois era atraente para os olhos e desejável para se alcançar conhecimento. E colheu um fruto, comeu e deu também ao marido, que estava com ela, e ele comeu. Então, os olhos dos dois se abriram; e, vendo que estavam nus, teceram tangas para si com folhas de figueira.

2ª Leitura – Rm 5,12-19
Irmãos: Consideremos o seguinte: O pecado entrou no mundo por um só homem. Através do pecado, entrou a morte. E a morte passou para todos os homens, porque todos pecaram… Na realidade, antes de ser dada a Lei, já havia pecado no mundo. Mas o pecado não pode ser imputado, quando não há lei. No entanto, a morte reinou, desde Adão até Moisés, mesmo sobre os que não pecaram como Adão, – o qual era a figura provisória daquele que devia vir -. Mas isso não quer dizer que o dom da graça de Deus seja comparável à falta de Adão! A transgressão de um só levou a multidão humana à morte, mas foi de modo bem mais superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos. Também, o dom é muito mais eficaz
do que o pecado de um só. Pois a partir de um só pecado o julgamento resultou em condenação, mas o dom da graça frutifica em justificação, a partir de inúmeras faltas. Por um só homem, pela falta de um só homem, a morte começou a reinar. Muito mais reinarão na vida, pela mediação de um só, Jesus Cristo, os que recebem o dom gratuito e superabundante da justiça. Como a falta de um só acarretou condenação para todos os homens, assim o ato de justiça de um só trouxe, para todos os homens, a justificação que dá a vida. Com efeito, como pela desobediência de um só homem a humanidade toda foi estabelecida numa situação de pecado, assim também, pela obediência de um só, toda a humanidade passará para uma situação de justiça.

Evangelho – Mt 4,1-11
Naquele tempo: o Espírito conduziu Jesus ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Jesus jejuou durante quarenta dias e quarenta noites, e, depois disso, teve fome. Então, o tentador aproximou-se e disse a Jesus: ‘Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães!’ Mas Jesus respondeu: ‘Está escrito: ‘Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’.’ Então o diabo levou Jesus à Cidade Santa, colocou-o sobre a parte mais alta do Templo, e lhe disse: ‘Se és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo! Porque está escrito: ‘Deus dará ordens aos seus anjos a teu respeito, e eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em alguma pedra’.’ Jesus lhe respondeu: ‘Também está escrito: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus!” Novamente, o diabo levou Jesus para um monte muito alto. Mostrou-lhe todos os reinos do mundo e sua glória, 9e lhe disse: ‘Eu te darei tudo isso, se te ajoelhares diante de mim, para me adorar.’ Jesus lhe disse: ‘Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor teu Deus e somente a ele prestarás culto.’ Então o diabo o deixou. E os anjos se aproximaram e serviram a Jesus.

Fernando Cyrino



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

Audiência Geral do Papa – 28/08

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada