Deus habita no humano – A Trindade vive em nós

Publicado em 21/05/2022 | Categoria: Mesa da Palavra Slideshow Home |


Deus habita no humano – A Trindade vive em nós – Liturgia da Missa – Reflexões para a Mesa da Palavra – Ano C – 6º Domingo da Páscoa

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes o que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isso, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis”.

Após ter tomado conhecimento da mensagem de Jesus e se encantado por ela, um grupo de pessoas daquela cidade procurou o missionário que por aquelas terras pregava. “Padre, nós aceitamos que Jesus é Deus e cremos que Ele tenha ressuscitado. Além disto, confiamos profundamente que seja o Amor a reger o mundo. Só não entra na cabeça, essa história de que a Trindade fará na gente sua morada. Como é que pode se dar isto de termos Deus dentro de nós? Tal presença não tiraria a liberdade de caminharmos com os próprios passos, que é algo que o cristianismo também prega?

Os primeiros cristãos e principalmente a comunidade Joanina, pareciam viver tensão semelhante a esta. Se para nós, dois mil anos depois, gente que está acostumada à mensagem, não é simples o entendimento, imagine-se então o tamanho da dificuldade para aqueles que, naqueles tempos, iam tomando consciência de que Deus vivia neles.

Deus habitar em nós não significa que estejamos possuídos por Ele e assim tenhamos perdido a liberdade, conforme o medo desses imaginários catequizandos da historinha de hoje. Ter Deus em si traz o sentido de que se está sendo divinizado. Que se segue o caminho para se tornar santo. E Santo, proclamamos a cada Eucaristia, é o Senhor. Deus jamais tocará na nossa liberdade. Ter Ele dentro, inclusive, a reforça, na medida em que nos encoraja e anima.

Deus que faz morada em nós, tem o sentido de que assumimos a condição de filhos. E filho de peixe, diz o ditado tão conhecido, peixinho é. Deus em nós denota também que não fomos feitos para pouca coisa. Que não podemos e nem devemos nos contentar com a mediocridade. Somos filhos de Deus e Ele habita em nós. Gente, portanto, capaz de realizar coisas muito maiores do que aquelas que hoje fazemos.

Deus, o Amor, habita naqueles que aceitam sua Palavra. Trata-se aqui de um fato básico, essencial na nossa fé. Algo tremendo e que traz no seu bojo responsabilidades bem grandes conosco mesmo, com a comunidade e até com o mundo.

Somos mais de um bilhão e duzentos milhões de cristãos. Considerando os sete bilhões de habitantes da terra trata-se de minoria, mas ao se levar em conta tal número em si mesmo, se vê de imediato que é gente demais. Trata-se de seis vezes a população do Brasil.

Daí que precisamos nos perguntar. Será que estamos mesmo sendo conscientes dessa dimensão divina em nós e dos encargos que tal presença acarreta? Será que o mundo (pelo menos à nossa volta) não deveria estar melhor porque Deus, o Amor, vive dentro da gente?

O Amor não é um sentimento simplesmente, como algumas pessoas podem pensar. Vai muito além dele. Amar pressupõe movimento, ação para fora de si. Amar é se colocar ativo na construção do bem entre as pessoas. É ser capaz de largar o egoísmo estéril e gerador de uma falsa ilusão de felicidade e se fazer pacífico, justo e misericordioso.

A gente ama não por capricho ou obrigação, mas porque este é o nosso princípio e fundamento. Amar a todos e não somente às pessoas próximas e mais queridas. Amar também quem não conhecemos e mesmo aqueles com quem não conseguimos ainda conviver bem. Santo Inácio de Loyola ensinava, já tratamos disto aqui, que o Amor consiste em obras. Amar é dar e receber.

Para amar não é preciso estar colado às pessoas. Não se pode ser ingênuo. Há gente que pode não nos desejar por perto. Quem sabe existam outras que queiram nos fazer o mal. Enfim, há seres humanos com os quais, definitivamente, não conseguimos conviver. Manter-se sofrendo junto a essa gente somente pelo sofrimento não é Amor. Trata-se de masoquismo, eis que há pessoas mesmo que nos são tóxicas.

Amar pessoas assim complicadas é não lhes desejar e muito menos fazer-lhes o mal. É aceitá-las como seres humanos, nossos irmãos, portanto. É ter consciência de que não dá para tê-las, pelo menos por enquanto, por perto. Que vivam e nos deixem viver também. Há espaço no mundo suficiente para acolher a todos.

Aquele que ama não é desleixado e muito menos se deixa levar pelo esquecimento. Quem ama cuida. O jeito de Amor mais simples e concreto que podemos exercer é o cuidado. Cuidar é guardar o outro, ser seu “anjo da guarda”. Cuidar, mais além, significa tratar as pessoas na dimensão da liberdade que Deus nos dá. Guarda é proteção e não sentimento de posse em relação ao outro, seja filho, cônjuge, ou qualquer outra pessoa.

Este trecho do Evangelho nos aproxima do mistério da Santíssima Trindade. Nele podemos observar o Pai que envia o Filho e que é maior do que Ele, enquanto ser humano. Vemos também o Espírito Santo que na medida em que os completa, oferece-nos participar do Amor circulante e envolvente entre os Três.

Jesus nos deixa a paz. Não nos dá mera saudação de paz como costumamos oferecer às pessoas. Ele, mais que a saudação, nos entrega a sua paz e esta nada mais é do que Ele mesmo.

Esta paz, que é o próprio Deus, jamais será aquela da alienação trazida pela inconsciência dos problemas. A paz não é também a ausência da guerra. Muito menos será gerada pela sensação de segurança de se sentir protegido da violência, pelo poder das armas da polícia. Não é igualmente a paz de Jesus aquela propiciada pela vida defendida por muros, porteiros e câmeras de vigilância…

Por isto, a paz do Senhor pode se dar em meio à guerra e violências sofridas. Trata-se da consolação interior, profunda, que nos faz maiores do que tudo aquilo que o mundo possa fazer para nos agredir, ou diminuir. Ter essa paz é se saber competente para coisas muito grandes e assim, sentir-se encorajado(a) e partir para realizá-las.

Pistas para reflexão durante a semana:

– Como se reflete em minha vida a presença da Trindade?

– Em que necessito crescer no Amor?

– Gero paz à minha volta?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Oremos pelo Afeganistão Consagração à Nossa Senhora de Guadalupe Homenagens aos nossos diáconos permanentes Homenagem aos nossos padres Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada