Deus é paciente para com seus filhos.

Publicado em 19/07/2014 | Categoria: Destaques Notícias |


por do sol

Liturgia da Missa – Reflexões para a Mesa da Palavra do 16º Domingo do Tempo Comum – Ano A 

 

Era uma vez uma professora muito impaciente. Ditava o ritmo do ensino de tal forma, para que todos já apresentassem resultados imediatamente. Ai daquele estudante que não conseguisse segui-la. Seria logo taxado como incompetente e indigno de freqüentar sua classe. Imediatamente arrancado da sala. Um dos muitos alunos desprezados foi acolhido noutra escola onde teve tempo e espaço para demonstrar seus dons. Tornou-se célebre médico. Um dia essa mulher caiu doente. Consultara doutores até no exterior e ninguém foi capaz de lhe descobrir o mal.Contaram-lhe então que numa cidade próxima havia um médico muito sábio. Quem sabe ele poderia ter para ela o diagnóstico conclusivo que pudesse levá-la à cura? Lá se foi a enferma em busca desse doutor. Chegando ao consultório ficou intrigada com o nome lá exposto. Tentava puxar da memória de onde o conhecia. Terminados os exames estava radiante. Sua moléstia era enfim sabida e, melhor ainda, tinha remédios eficazes. Alegre, lhe perguntou se não tinha parentes na sua cidade, eis que seu nome e sobrenome lhe eram bem familiares. “Eu sou de lá e fui seu aluno por pouco tempo”. O médico, que já a havia reconhecido, respondeu. Foi assim que a professora caiu em conta de como seu comportamento não era adequado. A partir daquele dia mudou seu modo de proceder. Passou a ter paciência com os alunos e bastante prudência nos julgamentos que fazia deles. Sentia que todos, mesmo parecendo, a princípio, maus tinham talentos maravilhosos a serem cultivados e só depois de crescidos é que seria possível perceber tais capacidades ocultas.

 

O evangelista Mateus vem nos falar, através de parábolas, de características do Reino. Algumas mais famosas, como a do domingo passado e esta, vem tratar das coisas da agricultura. Numa linguagem bem simples e adequada à realidade daquela gente, Jesus quer alertar para o cuidado que é necessário se ter com a plantação, para que não se perca a colheita.

O primeiro e mais importante ensinamento desse trecho do Evangelho diz respeito à paciência. A parábola do joio e do trigo apresenta-nos uma face de Deus muito bonita e que costuma estar meio oculta para os cristãos, em alguns momentos da vida. Deus é tremendamente paciente com seus filhos e pode ser que eles se esqueçam disso.

Ele sempre está esperando que eles cresçam para que enfim possa saber se querem mesmo ser acolhidos no seu imenso Amor e misericórdia. Como o Pai somos também agricultores e o que Jesus quer nos mostrar é que nesse trabalho não se pode almejar resultados imediatos. Lavrador impaciente não alcançará boa colheita.

Nas comunidades é preciso que se cultive esse olhar divino da paciência. Dar tempo ao tempo, oferecer condições e espaço para as pessoas, para que possam ir adentrando, no seu ritmo, nos mistérios do Amor de Deus. Não é difícil percebermos como cobramos resultados rápidos das pessoas à nossa volta. Pior ainda, sempre queremos que caminhem no nosso ritmo. Até podemos desrespeitá-las ao exigir que caminhem numa velocidade para a qual não estão aptas.

Pode bem ser que em alguns lugares que frequentamos, não se estejam utilizando os critérios do Reino da paciência, cuidado e atenção. O tempo do Reino não é contado como o nosso. O crescimento se dá segundo o kairós, o tempo do Espírito, que não se conta em horas nem em dias. Pode bem ser que, contaminados pelo tempo de alta velocidade que se vive e por causa do modelo econômico vigente, se esteja cobrando das pessoas apenas o tempo chronos, esse dos relógios que se carrega nos pulsos.

Nas outras duas parábolas trazidas por Mateus nesse domingo vamos ter exemplos significativos do crescimento do Reino. A vida dura e certo tipo de catequese, em voga num passado nem tão distante, fez com que ficasse impregnado no inconsciente de bastante gente, o distanciamento do Reino de Deus da sua realidade concreta. Foi reforçando nelas a noção de que o Reino só poderá ser visto e assumido quando se estiver no céu. Jesus vem nos mostrar que essa visão está equivocada. O Reino tem início no aqui e agora.

Mais ainda, que não podemos esperar que ele aconteça sem o nosso trabalho. É preciso preparar o terreno para lançar ao chão as sementes de “mostarda”. Depois, cuidar delas para que cresçam. Da mesma forma, se não for preparado o pão não haverá comida. Duas parábolas que vem nos mostrar que o Reino já está no meio de nós e que nos cabe, com a atenção, cuidado e serviço, “retirar o véu” que pode estar cobrindo-o. O Reino está aí e cresce. Não de fora para dentro, mas de dentro para fora. Será a força já existente dentro da semente e a propriedade do fermento no meio do pão que farão com que cresçam .


Pistas para reflexão durante a semana:

 

– Sou agricultor paciente?

– Sinto o Reino presente na minha vida?

– Ajudo a minha comunidade a ter mais cuidado com o ritmo de cada um na construção do Reino?

 

1ª Leitura – Sb. 12,13. 16- 19

Não há, além de ti, outro Deus que cuide de todas as coisas e a quem devas mostrar que teu julgamento não foi injusto. A tua força é princípio da tua justiça, e o teu domínio sobre todos te faz para com todos indulgente. Mostras a tua força a quem não crê na perfeição do teu poder; e nos que te conhecem, castigas o seu atrevimento. No entanto, dominando tua própria força, julgas com clemência e nos governas com grande consideração: pois quando quiseres, está ao teu alcance fazer uso do teu poder. Assim procedendo, ensinaste ao teu povo que o justo deve ser humano; e a teus filhos deste a confortadora esperança de que concedes o perdão aos pecadores.

 

2ª Leitura – Rm 8,26-27

Irmãos: Também, o Espírito vem em socorro da nossa fraqueza. Pois nós não sabemos o que pedir, nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis. E aquele que penetra o íntimo dos corações sabe qual é a intenção do Espírito. Pois é sempre segundo Deus que o Espírito intercede em favor dos santos.

 

Evangelho – Mt 13,24-43

Naquele tempo: Jesus contou outra parábola à multidão: ‘O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: `Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?’ O dono respondeu: `Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram: `Queres que vamos arrancar o joio?’ O dono respondeu: Não! pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado!

Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!” Jesus contou-lhes outra parábola: ‘O Reino dos Céus é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E torna-se uma árvore, de modo que os pássaros vêm e fazem ninhos em seus ramos.’ Jesus contou-lhes ainda uma outra parábola: ‘O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado.’ Tudo isso Jesus falava em parábolas às multidões. Nada lhes falava sem usar parábolas, para se cumprir o que foi dito pelo profeta: Abrirei a boca para falar em parábolas; vou proclamar coisas escondidas desde a criação do mundo’. Então Jesus deixou as multidões e foi para casa. Seus discípulos aproximaram-se dele e disseram: ‘Explica-nos a parábola do joio!’ Jesus respondeu: Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. O campo é o mundo. A boa semente são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao Maligno. O inimigo que semeou o joio é o diabo. A colheita é o fim dos tempos. Os ceifadores são os anjos. Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: o Filho do Homem enviará os seus anjos e eles retirarão do seu Reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam o mal; e depois os lançarão na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes. Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos, ouça.’

 

 

Fernando Cyrino

www.fernandocyrino.com



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

Audiência Geral do Papa – 28/08

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Visita guiada na Igrejinha Histórica 6 casais recebem sacramento do matrimônio em casamento comunitário Assembleia Paroquial 2019: Como podemos evangelizar melhor? ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada