A VOZ DO PASTOR – MAR2018

Publicado em 07/03/2018 | Categoria: A Voz do Pastor Notícias |


 

Irmãos e irmãs, queridos e queridas por Deus,

Na Quaresma, somos chamados a meditar e a vivenciar de perto a intimidade do mistério do Senhor. Somos sempre chamados, sim, mas chamados a quê? Basicamente, somos chamados a ficar com Ele.

“Jesus subiu ao monte, e chamou os que quis. E foram a ele. Então Jesus constituiu o grupo dos Doze, para que ficassem com ele e para enviá-los a pregar com autoridade…”  (Mc 3,13). 

“Permaneçam em mim e eu permanecerei em vocês. O ramo que não permanece unido à videira não pode dar fruto. Vocês também não poderão dar fruto, se não permanecerem unidos a mim. Eu sou a videira, vocês são os ramos” (Jo 15,4-5).

É essa a especificidade do nosso chamado, é isso que nos caracteriza como discípulos, e depois missionários: permanecer nele, viver por ele. Essa especificidade, o autor do quarto evangelho a deixou inscrita na Cruz, num momento de extrema solenidade:

“Quando crucificaram Jesus, os soldados tomaram o seu manto para eles e o repartiram em quatro partes, uma para cada soldado. Deixaram de lado a túnica. A túnica não tinha costura, era uma peça única, tecida por inteiro desde cima. Disseram uns aos outros: Não vamos repartir.  Vamos tirar a sorte, para ver a quem cabe. Assim se cumpriu a Escritura, que diz: Repartiram o meu manto e sortearam minha túnica. Foram os soldados que fizeram assim” (Jo 19,23-24).

O momento do desnudamento é o momento da verdade. O momento de todas as dúvidas é o momento em que todas as certezas brilham com força irresistível. Ali, aos pés da Cruz, pela mão do gentio agressor, brilha a nossa especificidade. Esse momento gravado pelo autor bíblico, que a ele conferiu um parágrafo inteiro, não nos pode passar despercebido. O manto e a túnica falam de nossa especificidade, eu diria, quase gritam.

Vamos ouvi-los.

 “Cães numerosos me rodeiam, um bando de malfeitores me envolve. Transpassaram minhas mães e meus pés, posso contar todos os meus ossos. Todos me observam e me encaram. Repartiram entre si as minhas vestes e sortearam a minha túnica” (Salmo 22,17-19).

O Salmo 22 reescreve Isaias 53. Há, ali, prenúncios de dois futuros gestos carregados de sentido em dois futuros despojamentos.

Em João 19,1-3 os soldados coroam Jesus de espinhos e o revestem de vermelho e de zombaria. Mas o que parecia vestição foi despojamento, despojamento de si pelo outro. O que era para ser agressão foi plenitude de demonstração amorosa. No trecho a seguir, de João 19,23-24, acontece o contrário: o que parece despojamento, transforma-se em vestição de expansão universal. Nunca Jesus esteve tão vestido de si como quando estava nu.

Nada é como pensamos! Nada como queremos!

Como os pensamentos de Deus não são mesmo os nossos!

Na Cruz, Jesus continua sendo o rei escarnecido, esvaziado do poder “desta ordem”. Ao que tudo indica, não lhe tiram a coroa de espinhos. A intenção do autor é, aliás, esta mesma: Jesus é rei na cruz. A cruz é o único lugar onde, verdadeiramente, se pode dizer que alguém é verdadeiramente rei.

Era costume dos executores repartirem o espólio do réu. Era sua paga: o réu lhes pagava a morte que lhe deram. O episódio da repartição começa e termina, mencionando os soldados. Paradoxalmente, são eles, ao mesmo tempo, os agentes da morte e os primeiros herdeiros da vida.

O manto já aparece no lava-pés (em Jo 13,4.12), quando o autor bíblico escreveu: “Depois de lhes lavar os pés, Jesus retomou o manto, reclinou-se e perguntou: Entendem o que acabei de fazer?” (Jo 13,12). Ali, ele retoma o manto, mas não há nenhuma menção de que tenha retirado o avental-toalha. Ele é senhor, sim. Mas um senhor-servo, de manto e avental.

O manto, que apareceu no lava-pés, vai reaparecer na hora de Pedro (Jo 21,7). O manto, símbolo do reinado (1Rs 11,30-31; 1Sm 15,27), em Jesus, o rei dos judeus, simboliza o seu reino. Os soldados estão dividindo o reino para si. O reino que seria do povo eleito, a partir dali se torna herança dos gentios, de todos. Doravante, todos serão o povo da eleição.

Contudo, o manto é a veste exterior, a veste de todos. Com a túnica, porém, a história é outra.

A túnica é a peça de roupa interior, colada ao corpo, colada à intimidade do ser. Sem costura, sem fissuras nem emendas, ela indica a unidade e a integridade do ser. A túnica não contrasta com a ideia do manto, mas a complementa.

Na descrição do autor do quarto evangelho, a túnica é costurada “por inteiro”, a unidade, e “desde cima”, a menção do Espírito, a força vital da unidade. Desde já pressentimos a presença do Espírito, até que ela exploda no ápice do verso 30: “E inclinando a cabeça, entregou o espírito”.

A túnica inconsútil é a intimidade da vida do Mestre. Não foi desmembrada, não foi rasgada. Foi sorteada para ver a quem cabia; só não se disse a quem coube. O manto é universal, cabe a todos, pertence a todos. Mas a túnica só cabe em quem realmente serve.

Percebem o que estou dizendo?

A todos cabe o Manto. O manto é o chamamento universal a fazer parte do Reino. Mas a alguns, em especial, cabe a túnica. A alguns, em especial, o chamamento é outro: alguns são chamados a aderir à intimidade dele. Vejam bem, aderir à intimidade dele já é instalar o Reino. Porque o Reino não é só dele, o Reino é ele. 

Nessa aurora da Páscoa de 2018, desejo a todos um real desejo do manto e da túnica, desejo a todos a universalidade do Reino e a intimidade do Senhor.

Por vocês todos, com vocês todos, rezo a oração que, na Missa, antecede a comunhão – verdadeira pérola de intimidade, espiritualidade e adoração.

Senhor Jesus Cristo, Filho do Deus vivo, que cumprindo a vontade do Pai e agindo com o Espírito Santo, pela vossa morte destes vida ao mundo: livrai-me dos meus pecados e de todo mal. Pelo vosso Corpo e pelo vosso Sangue, dai-me cumprir sempre a vossa vontade e jamais separar-me de vós.

A todos desejo uma santa Páscoa, na intimidade do Senhor, razão maior da Igreja, única razão da vida que vivemos.

 

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Metropolitano de Niterói



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história Assembleia Paroquial 2013: Recomeçar em Jesus Cristo! As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Assembleia Paroquial - 2013 Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada Festa Junina 2012 Apresentação da Pastoral do Meio Ambiente Corpus Christ Em comunhao com a Santissima Trindade Apresentacao da pascom 20 de maio 2012 Missa de Pentecostes Missa da Ascensao do Senhor Festival de Massas Comunidade Dom Orione em Festa Missa Solene em Honra a Sao Luis Orione Dia especial dupla emoção conheca-as-pastorais-da-nossa-paroquia apresentacao-das-pastorais-mesc-e-mebes missa-do-domingo-da-pascoa missa-da-ceia-do-senhor vigilia-pascal Dízimo, uma experiência de Fé CF 2012 - Momento de Reflexão Posse do novo Bispo de Niterói