A VOZ DO PASTOR – JUL 2019

Publicado em 08/07/2019 | Categoria: A Voz do Pastor Notícias Slideshow Home |


 

Túmulo vazio, vida plena

 

Queridos irmãos e irmãs em Cristo Jesus, Nosso Senhor Ressuscitado:

Terminado o Tempo Pascal, gostaria de trazer algumas considerações sobre a espiritualidade que vivenciamos e que irá nos conduzir ao longo do segundo semestre, e ao largo da vida.

O que constitui a nossa condição humana é, justamente, não saber o que faz essa condição. Ninguém sabe, nada sabemos. Pensamos que sabemos, juramos que sabemos, e incrementamos nossa onipotência para não cair no terrível vazio. Mas é só ilusão e onipotência.

No entanto, mantemos essa imagem porque ela nos ampara e dá consistência. Mas não nos iludamos. Nossa imagem é só imagem, quase nunca o que somos. É Narciso mirando o lago. Nossa consistência interna se mantém ao alto custo de sustentar o que não é. Custa caro fincar estacas no brejo.

Foi assim com os primeiros discípulos, os pais da nova fé. Quando lemos que Pedro e o discípulo amado (logo ele!) encontraram o túmulo vazio e “retornaram para os seus” (Jo 20,10), podemos ler que voltaram, desconcertados, pisando sobre as próprias pegadas.

Quem, naquela época, ouvia o relato de um certo túmulo vazio, sabia, na verdade, que não ouvia apenas o relato de um túmulo vazio. Penso nas incontáveis vezes em que as pessoas ficaram esperando, num suspense cinematográfico, para ver se algo mudaria na história, desde a última vez que fora contada. E quando o relato terminava, a mesma frase lacônica lacrava, com pedra, o que todos sabiam: “E, então, retornaram para os seus”.

Para trás. Hoje, se diria: vida que segue.

Eclodia, no entanto, a pujança da palavra que, quanto mais se cala, mais fala. Não adiantava, ansiosamente, acompanhar o relato até o fim. Tudo o que se esperava ouvir, ninguém contaria. A narrativa nada mais era, senão o relato de um túmulo vazio, mulheres alucinadas, discípulos temerosos, gente desconcertada diante do que não conseguia entender, simplesmente, porque ficamos assim quando as coisas não cabem dentro de nós, dos nossos paradigmas, dos nossos projetos, das nossas expectativas. Ficamos assim quando o sentimento não cabe no contorno das palavras.

Que pobreza, a nossa!

Sinais havia, espalhados: lençóis estendidos, aromas de perfumes silvestres, mirra e aloés. Tudo de que se precisava para ir além da morte e crer. Eles não viram nem ouviram.

Que pobreza, a deles!

Contudo, é provável que, enquanto voltassem para os seus, levassem uma pergunta germinando, incomodando, martelando, destravando o mecanismo antigo e encalacrado da vida: existe algo na vida que seja maior do que a própria vida?

Bem aos poucos, deram-se conta de que maior do que a vida era a fome de viver, de encontrar sentido, de fazer do sentido, uma direção, de seguir por essa direção. De entender além do que a vida mostra. De encontrar o que a realidade não é capaz de apontar. De desvendar. De iluminar.

A fome existe. Não se resolve a fome costurando a boca.

É preciso sustentar a fome, o vazio, a pergunta sem fim do sepulcro vazio. Só depois há de vir a alegria verdadeira da ressurreição e do Ressuscitado.

Mas será tudo tão fácil quanto é pressuposto que seja?

Cada um terá de matar sua fome com o alimento que conseguir plantar, sua sede, com a fonte que conseguir drenar. Cada um terá de lidar com as perguntas que puder suportar e com as respostas que puder gerar. Sobretudo, as que conseguir ouvir, no emaranhado do coração.

Os sinais estarão sempre lá, e lá continuarão, presentes, perenes, mesmo quando a percepção nos enganar, acenando com um sepulcro vazio. Quem não suportar aquele sepulcro vazio precisa se perguntar até onde o vazio denuncia seu próprio interior.

A complexidade do mundo exige respostas cada vez mais elaboradas. Só irá sobreviver quem na fé conseguir transpor as dúvidas. Uma nova capacidade de perceber, lucidamente, os motivos para crer, sem falsificá-los numa angústia vã ou projetá-los sobre o outro em acusações sentimentais, tornou-se, para o homem de hoje, a busca mais urgente e definitiva de um novo caminho, com rumo e direção.

Onde encontrar respostas elaboradas? Novas ou velhas, as perguntas sempre exigirão novas respostas. É preciso responder. Não seria oportuno voltar para os seus, como os dois primeiros. Sabemos que não há volta, só ida. Se houvesse, você não voltaria os ponteiros do relógio 30, 40, 50 anos atrás?

Quem encontrou o sepulcro vazio, nunca mais será o mesmo. Para uma época recheada de ilusões pseudocientíficas, a ciência do mundo interior é a única capaz de denunciar a banalização externa. Uma nova espiritualidade – mais centrada, mais bíblica, mais existencial – será a única capaz de construir uma nova ordem e de aquietar o coração assolado por desejos nutridos por uma avidez desvairada e desviada de qualquer finalidade.

Não podemos banalizar a vida. Não devemos banalizar Deus.

Um Deus proposto como conceito óbvio, não se torna mais claro, torna-se tosco. Um Deus vendido como mercadoria de luxo, nem por isso se torna precioso, torna-se vulgar. Corremos o risco de pendurar Deus como se fosse joia, mas isso não O torna brilhante, apenas reles bijuteria. Corremos o risco de nos apropriarmos de Deus como propriedade particular. Mas o resto do mundo O rejeitará, por rejeitar quem se apropria dEle, seja como mercadoria, joia, propriedade ou conceito.

É preciso, em nossas práticas, deixar a Deus a liberdade de ser Deus, independente das nossas boas intenções, da geografia política dos nossos agrupamentos ou dos nossos pertencimentos. A resposta ao Mistério de Deus responde à mais antiga de todas as questões, sobre o próprio mistério do homem.

A resposta do homem ao próprio mistério terá de ser um trabalho consciente de espiritualização e sublimação do mundo: uma autêntica recriação de si mesmo, a volta ao jardim do paraíso ou ao jardim onde o túmulo novo havia sido colocado.

Aquele túmulo estava vazio, mas o ser humano não é um túmulo vazio. Aliás, qualquer túmulo vazio ficou para trás. Cheio será o futuro que se abrirá à frente.

O que faz a condição do ser humano não é mais não saber o que faz a sua condição; a resposta nós já temos. Ela passará, inevitavelmente, por um túmulo vazio – horror para os filósofos, temor para os teólogos, consistência, coerência e paz para o homem da fé simples. O túmulo vazio é a condição e a garantia de uma vida cheia. Plena. Total.

Queridos irmãos e irmãs, desejo de coração que este segundo semestre seja um desdobrar da vivência pascal. A Igreja se veste de verde: é que, agora, a semente do Cristo Pascal irá brotar no interior de cada um, verde como planta tenra, e sempre para a glória de Deus, o Pai.

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Metropolitano de Niterói

Fonte: Arquidiocese de Niterói


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história Assembleia Paroquial 2013: Recomeçar em Jesus Cristo! As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Assembleia Paroquial - 2013 Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada Festa Junina 2012 Apresentação da Pastoral do Meio Ambiente Corpus Christ Em comunhao com a Santissima Trindade Apresentacao da pascom 20 de maio 2012 Missa de Pentecostes Missa da Ascensao do Senhor