A Voz do Pastor – AGO 2019

Publicado em 01/08/2019 | Categoria: A Voz do Pastor Notícias |


Queridos irmãos e irmãs:

A conclusão das testemunhas oculares da Transfiguração do Senhor tem validade para todos os tempos.

É bom estar aqui!

Isso é ainda mais preponderante no século XXI, cheio das tecnologias da comunicação, mas vazio de conteúdo a comunicar. Quem nos dará conteúdo? Esse é o desafio dos novos tempos: gerar um conteúdo do qual estamos pobres.

Qual foi nossa parcela de contribuição para que o mundo se esvaziasse?

A crise da pós-modernidade é a crise do vazio: tudo, hoje, escapa a qualquer abordagem. Justamente, o excesso de comunicação e de manipulação gerou um vazio impreenchível. Esse é o nosso tempo. Há pobreza de conteúdo e de sentido, em todos os sentidos. Essa é a “noite do mundo”, segundo Heidegger.

Mas a “noite do mundo” não advém de uma provável ausência de Deus. É noite no mundo, porque os homens já não sofrem com essa ausência. As pessoas ainda acreditam, as igrejas continuam cheias, somos especialistas em lotar estádios, a religião é pop.

Mas cada qual trafega pelo mundo com o “seu Deus”, saído de algum supermercado particular de fé, onde Deus se encontra nas prateleiras, para ser “consumido” conforme gostos e conveniências. A doença mortal desse tempo é a falta de paixão pela verdade.

Por isso, a grande vocação do homem moderno é se transfigurar em Cristo. Esse é o primeiro, grande e irrecusável chamado: constatar o quanto é bom viver na claridade de Deus, onde todo o restante se torna luz. A mesma tendência que nos une ao Deus Trindade, mistério inefável de luz e paz, nos conduz ao irmão, mistério indizível do entendimento.

É por isso que é bom ficar aqui. Mas, que isso não se transforme num miniresort pessoal de consolo, uma forma de hedonismo espiritual.

É preciso evitar toda falsa experiência espiritual de evasão da realidade, a tirania de uma satisfação autogratificante. Se for assim, a vida cristã perde a oportunidade da vivência da fé para se converter num esteticismo espiritual de pessoas desencantadas. Esse formato de fé adapta as pessoas às suas disfunções e lubrifica o sistema. Longe de ser o óleo do motor de uma nova humanidade, trata-se de uma mística satisfatória que não promove qualquer processo de transformação da sociedade.

É, realmente, muito bom estarmos aqui!

E se esse momento de Tabor nos transfigura em pessoas novas, vão existir sinais de esperança. No fundo, até a busca insana de agradar os sentidos denota uma avidez de encontrar o sentido perdido. Não se trata de saudosismo, mas do esforço sobre-humano de reencontrar a terra depois do naufrágio, o ramo de oliveira no bico da pomba, um horizonte último que meça o tamanho daquilo que é, sempre, penúltimo.

Para ver os sinais de esperança, basta olhar em volta.

Vivemos a descoberta do outro, totalmente próximo pelo simples fato de ele existir. Vivemos a redescoberta do Outro, totalmente Outro, no despertar da necessidade de alicerces verdadeiros. Queremos uma pátria do espírito, nem sedutora nem manipuladora de ideologias, mas definitiva.

André Malraux, num momento de grande angústia do século XX, percebeu que a História havia entrado em crise existencial. Ele se perguntou: “Para que, afinal, ir à lua, se é apenas para se suicidar lá?” Foi ele quem afirmou que o século XXI seria o século mais religioso da História. Na tentativa de curar as feridas do século anterior, espiritualidade e mística seriam vividas na planície do mundo, num futuro transcendente para nossa espécie.

É por isso que revivemos o Tabor nas planícies: é por isso que é bom estar aqui.

Mas não por insegurança, distanciamento e evasão da realidade. Pelo contrário! Só do Tabor conseguiremos entender a real dimensão da vida. Esse é o mirante de onde o panorama se descortinará a nossa frente. A pretensão do Tabor é tornar a vida real. O Tabor é a medida definitiva da existência humana, o seu destino último, fora do qual tudo é penúltimo.

O Tabor é o nosso lugar. Lá, nos transfiguramos para nos tornar tudo o que somos. Nós somos a morada da Trindade, o Tabernáculo de Deus entre os irmãos, o Sacrário, permanentemente, aberto. O Tabor se encontra onde já nos encontramos.

Não seria, essa, a nossa primeira vocação?

Não é por nada que o Mês Vocacional começa com a Transfiguração do Senhor. Esse é o melhor momento para cada um se definir em relação ao que espera de si. Sem transfiguração interna, ninguém encontrará nem o seu lugar nem a sua vocação.

Já disseram que vocação é um conceito ultrapassado, que “não há ninguém chamando ninguém”. Mas por que a poesia do chamado de Deus não encontra mais lugar num mundo desencantado? Curioso! Pois é, justamente, esse mundo desencantado que pretende se reencantar com fórmulas mágicas e teorias esotéricas.

Será, então, a vocação uma ideia ultrapassada?

Penso que não!

Cada ser precisa, urgentemente, encontrar o seu lugar. Mas ninguém encontra nada que não tenha referência a um outro lugar, outra esfera, outra transcendência. Andam dizendo que, num mundo sem transcendência, a transcendência possível seria o amor pelos seus.

É bastante, mas, de certa forma, ainda pouco!

Até o amor precisa de transcendência, até o amor carece de um lugar onde repousar o cansaço e as frustrações. Sem esse espaço, nada resiste. É dele que nos vem o chamado para caminhar mais, ir além, cansar-se, mas jamais desistir. Sentir-se chamado, vocacionado, é um bom indicativo de que esse lugar foi encontrado.

A única gota de água retirada da galheta cheia, na Missa, é a melhor metáfora que encontrei para a vocação. Por que aquela, e não outra? Nada sabemos! E se não for possível ser aquela gota, chamada a participar da oferenda Divina, que sejamos todas as outras, que também foram chamadas, ainda que para lavar as mãos de um pecador.

Pedro estava certo: É bom estar aqui, no lugar onde o Senhor se transfigura! Esse é o nosso primeiro chamado: transfigurarmo-nos, nele. Vai ser sempre bom estar aqui!

Enquanto aqui estivermos, nada nos faltará.

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Metropolitano de Niterói

 

Fonte: Arquidiocese de Niterói

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

Audiência Geral do Papa – 28/08

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

ENAJO - Missa de encerramento Juventude Orionita em Niterói. Evento reuniu mais de 500 jovens na Paróquia Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história Assembleia Paroquial 2013: Recomeçar em Jesus Cristo! As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Assembleia Paroquial - 2013 Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada Missa da Ascensao do Senhor