A Voz do Pastor – Abril 2019

Publicado em 01/04/2019 | Categoria: A Voz do Pastor Slideshow Home |


 

O COMEÇO DE TUDO

Irmãs e irmãos:

“Terão de olhar para Aquele que transpassaram” (Jo 19,37)

O Cardeal Carlo M. Martini foi um homem admirável sob todos os aspectos. Uma de suas ideias que mais me comovem, no rastro de Santo Agostinho, é a de que a Bíblia inteira não é senão a narrativa da paixão de Deus pelo homem. Tomado de louco amor pelo homem, Deus se apaixona pela beleza de sua criatura.

A Paixão do Senhor constitui o ápice desse amor. Enquanto a Bíblia inteira conta o que Deus fez por nós, mostrando sua Face indiretamente, através de suas ações, a Paixão do Senhor narra o que Deus fez a si mesmo, por nós, face a face, sem qualquer véu. Preso à Cruz, Deus está definitivamente comprometido conosco. Todos os seus dons de antemão eram apenas a preparação do dom maior de si. Na Cruz, Deus executa esse dom.

“Não quero saber nada além de Cristo, e de Cristo crucificado” (1Cor 2,2). “Nele estão escondidos todos os tesouros de sabedoria e de ciência. Nele habita corporalmente toda plenitude da divindade” (Cl 2,2.9). Nele o Mistério de Deus se exprime definitivamente, como que espremendo, para fora de si, no mundo todo e no cosmo inteiro, a sua essência, para que se torne perceptível a todos o que ela realmente é: Amor Total.

É esse amor que nos salva do veneno que corrói as nossas instituições, veneno que escorre da mais antiga árvore do conhecimento. “Terão de olhar para Aquele que transpassaram” (Jo 19,37). É esse o antídoto do veneno. Parafraseando São João Crisóstomo: O que na árvore venceu, pela árvore foi vencido. Na árvore da Cruz termina a nossa fuga e finda a nossa mentira. “Ele me amou e deu-se a si mesmo por mim” (Gl 2,20). Essa é a verdade, não há outra. Essa é a cura, não há outra.

A Paixão é o arremate da Encarnação, é a decifração do Mistério de Cristo. Até que ponto Deus nos ama? Quem era Cristo? Quem Ele é?

O autêntico intérprete desse segredo, suspenso entre o céu e a terra, não foi Pedro ou João ou nenhum dos discípulos. Foi o centurião: o responsável direto pelo que aconteceu no Gólgota. “Verdadeiramente, Ele era o Filho de Deus” (Mt 27,54). O maior decifrador é também a maior incógnita. Nada sabemos do que ele foi, no que se tornou depois daquela tarde trágica. Ficaram apenas suas palavras, como um testemunho da mais eloquente experiência: a do sangue.

“Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem” (Jo 3,14). E “quando tiverdes levantado o Filho do Homem, então, sabereis quem eu sou” (Jo 8,28). Porque “quando eu tiver sido levantado da terra, atrairei todos a mim” (Jo 12,32).

A visão cósmica que João alcança do Mistério do Crucificado, como centro de atração da História e do Universo, antecedeu em 20 séculos as descobertas que hoje sabemos. O Universo se originou de uma singularíssima potência que, em determinado momento, explodiu, em contínua expansão de si mesmo, desdobrando-se de tamanho, mas, ao mesmo tempo, se atraindo sobre si mesmo, com uma força que imita a do amor, que só se iguala à do amor.

O amor é a revelação do sentido da existência humana, da existência do universo criado, e até, da existência de Deus. Cristo crucificado é a revelação desse amor – aquele em tom maior, o único que não engana, e que apesar de todos os paradoxos persiste, desde sempre e para sempre.

Presenciamos a revelação desse amor nos encontros do Ressuscitado.

O primeiro e o mais extenso é narrado por João, na manhã daquele Dia. “Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde O colocaram” (Jo 20,2). Embora a frase diga respeito à Maria Madalena, o verbo no plural diz respeito a todos nós: nós é que não sabemos onde Ele está.

Não somos diferentes de Pedro e o Discípulo amado, que saem numa correria em busca do que não sabem, voltam ao túmulo, entram, nada encontram, nada entendem, e retornam para casa, num silêncio mortal. Foram atrás da morte. Só encontraram a morte.

Maria, do lado de fora, chora, e chorando inclina-se na direção do túmulo. “Por que você está chorando?”, anjos lhe perguntam. “Por que você está chorando?” – agora é Ele quem lhe repete a pergunta – “Quem você está procurando?”  Essa pergunta esclarece toda busca humana. Ela denuncia todo equívoco, todo desvio, toda insanidade.

Quem estamos procurando?

Maria Madalena representa a busca de cada um de nós, em direção a um Sentido Maior, que seja Senhor de nossas vidas, que nos ressuscite de nossa finitude e nos proporcione uma orientação global e definitiva. Estamos em busca de uma plenitude que não se acabe nem na dor, nem na velhice, nem na morte. A ansiedade dessa busca até as lágrimas não deixa de ser angustiante. Estamos atrás dos sinais de uma presença que nos ajude a perdoar o passado, mantenha a certeza no presente e a confiança no futuro. Essa busca se torna cada vez mais urgente na medida em que os sinais pareçam nos desiludir, quanto mais nos parece encontrar apenas o silêncio e o vazio, os mesmos que enganaram Pedro e o Discípulo.

Pedro, o Discípulo amado e Maria Madalena ainda não estavam abertos à novidade radical de Deus. Eles buscam a Deus no túmulo, no âmbito das coisas mundanas, de uma experiência a que estavam acostumados. Eles ainda não haviam permitido que Deus chegasse de fora dessa experiência, que supera todas as expectativas rasas do cotidiano.

Cristo Ressuscitado, Aquele que haviam crucificado horas antes, se manifesta a Maria com uma presença discreta que é, ao mesmo tempo, um apelo ao reconhecimento de si mesma. Ele a chama pelo nome – Maria! – e desde o íntimo ela se sente reconhecida. Ela, que não o havia reconhecido pelo olhar, é reconhecida por ele, na interioridade da Voz. “Eu vi o Senhor!” (Jo 20,18), ela vai dizer, depois.

Na sua busca, identificamos a nossa, os nossos cansaços e os nossos entusiasmos inesperados. Ainda hoje, podemos ouvir a mesma Voz chamando a cada um pelo nome. Nessas horas de iluminação interior, percebemos que o clarão pascal nos revela o sentido e o rumo da nossa existência, até daquilo que não tem sentido, até daquilo que perdeu o rumo.

Cristo é o começo.

Teremos de olhar para Ele. Teremos de olhar para aquele que transpassaram. Nele nos enxergamos, nele nos desvendamos, nele nos deciframos.

E se for preciso algum intercessor, que nos ajude a ver além das aparências, peçamos que aquele centurião, responsável direto pelos acontecimentos que nos salvaram, nos mostre o que ele mesmo viu.

Será, para nós, a antecâmara da Páscoa definitiva.

Que Maria, nossa Mãe, tome nossa mão, nossa mente e nosso coração, e jamais nos permita fugir dos pés da Cruz. Cristo é o começo. E é lá que tudo começa.

Santa Páscoa aos irmãos e irmãs do Ressuscitado!

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Metropolitano de Niterói

 

Fonte: Arquidiocese de Niterói



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeos


Assista mais...

A Voz do Pastor

Notícias em Destaque

Espaço de Ludicidade e Leitura é inaugurado na Creche Dom Orione Festejando São Francisco Xavier Salão nobre da Igreja Matriz é inaugurado Missa Domingo de Ramos na Cachoeira Encerramento das Festividades de São Luis Orione Celebrando a Caridade: São Luis Orione! Festa de Natal 2016: sua doação com destino certo Festejando o dia de São Francisco Xavier Assembleia Paroquial 2016 Capela das Almas Mês Vocacional Dia dos Pais Dia do Padre Festa Junina 2016 da Paroquia São Francisco Xavier Missa em memória de Santo Antônio Festa do Imaculado Coração de Maria Festividades em Honra ao Sagrado Coração de Jesus Padre Jô visita a Paroquia e nos encanta com seu canto e seu carinho. Dia da Ascensão do Senhor, dia das Mães e 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais. Nosso novo Pároco, padre Magno, seja bem-vindo! Batizados: os novos membros da Comunidade Paroquial Henrique: “Viver e dar a vida cantando o Amor!” Salve São Francisco Xavier, Padroeiro das Missões! Paroquianos homenageiam São Francisco Xavier Pe. Anísio fala da importância da confiança e dependência em Deus. Viva a Vida do Pe. Geraldo Dias! Romaria da Família Orionita ao Santuário de Aparecida do Norte Paroquianos participam da Romaria Arquidiocesana a Aparecida Missa na Capela Imaculado Coração de Maria: “Criai ânimo, não tenhais medo!” Missa da Ascensão do Senhor, Dia das Comunicações Sociais e Dom Orione Missa na capela São João Paulo II Festa na Capela Bom Pastor e Homilia do papa Francisco Assembleia Paroquial 2015 Missa de São Francisco Xavier Paróquia em Fests Missa de Nossa Senhora das Graças Movimento Shoenstatt unido pela Catedral O desafio da solidariedade Um dia voltado à ação social na Cachoeira Vigília Missionária, mais um passo rumo a unidade! Pascom comemora com missas o 48º Dia Mundial das Comunicações Sociais Caminhando rumo a Fraternidade Posse do Pe. Geraldo Dias, novo pároco da Paróquia. Inaugurada a Capela São Luiz Orione Pe. Jô é homenageado no “Encontro Musical” Novo endereço do site da Paróquia Novo Pároco da Paróquia São Francisco Xavier Dia de São Francisco Xavier Missa de Nossa Senhora das Graças Nossos jovens, protagonistas da história Assembleia Paroquial 2013: Recomeçar em Jesus Cristo! As Vocações na Igreja Semana da Família: o valor do testemunho transmitido Semana da Família 2013 Visita do Papa ao Brasil- Jornada Mundial da Juventude 2013 Missa dominical, com muitos motivos para render Graças Assembleia Paroquial - 2013 Peregrinação da Paróquia São Francisco Xavier Cristo ressuscitou! Feliz Páscoa! Caminhada da juventude com Cristo! Primeira Missa do Papa Francisco Primeiro Angelus – Papa Francisco Habemus Papam !!! Jorge Mario Bergoglio – Papa Francisco Bento XVI comunica a sua renúncia como Papa Paroquianos acolhem o novo Vigário Paroquial Saudade-Missao-Disponibilidade Celebração Eucarística - São Francisco Xavier Festejando São Francisco Xavier Celebração Eucarística da Crisma Festa da Pastoral de Conjunto Ano da Fé Uma análise geral do Sínodo Mensagem final do Sínodo O silêncio e a nova evangelização O papel o leigo na missão da Igreja Paróquia em Ação no mês das missões Paróquia Celebra o Dia Mundial da Missões Série 50 anos do Vaticano II Dia do Catequista Paróquia realiza assembleia para a construção da unidade paroquial Semana da Família Mensagem de agradecimento aos dizimistas Pastoral da Juventude Renovada Festa Junina 2012 Apresentação da Pastoral do Meio Ambiente Corpus Christ Em comunhao com a Santissima Trindade Apresentacao da pascom 20 de maio 2012 Missa de Pentecostes Missa da Ascensao do Senhor